quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

A MAIS BELA DE TODAS AS ROSAS.


Olhei para o céu, fazia isso habitualmente, buscando paz, respostas, conforto, entendimento, mas nesse dia não obtive nada do que procurava, lágrimas correram em minha face como nunca havia ocorrido.
Mas não havia outro jeito, tinha que dar continuidade a minha vida, as mesmas coisas de sempre, trabalho, curso, casa, cuidar dos cães, que estranhamente agiam como eu as vezes, olhando para o céu, buscando uma resposta, uma motivação, mas para eles assim como pra mim, nada ajudava.
Em um dia como qualquer outro, pois todos eram assim desde então, não consegui dormir, a noite havia sido péssima, levantei da cama antes do alarme soar, fui lavar meu rosto, pra melhorar um pouco a minha expressão, o que não ajudou muito, meus olhos deixavam claro uma noite mal dormida.
Fui tomar café, que há tempos não tinha o mesmo sabor, o mesmo prazer em sentar a mesa e aproveitar as manhãs, o sol nascer, não era como antes, tudo era apenas automático, fazer apenas por fazer. O Billy e a Meg – os cães- olhavam pra mim, tentando ajudar, mas  não tinham culpa, não conseguiam, confesso que se não fosse por causa deles eu teria largado tudo, mas  eram minha responsabilidade e acompanharam-me em todo processo de dor e felicidade, mereciam meu melhor, era o mínimo que podia fazer após tudo que passamos, eles me ensinavam todos os dias o que era fidelidade, companheirismo e amizade. Cuidei deles como todo dia, ração, água, levar pra dar uma volta, eles sabiam que faltava alguma coisa, digamos que nossos olhares já eram suficientes para entendermos as coisas e  nos comunicarmos como nunca.
Voltamos pra casa, agora eu tinha que dar prosseguimento ao dia, fui tomar banho, e as recordações voltavam, as lágrimas surgiram novamente e se misturaram com a água do chuveiro, como se tudo fosse uma coisa só. Não era a primeira vez que acontecia, mas eu deixava rolar, aprendi ser o melhor a fazer, me enxuguei, me vesti, olhei no espelho e o que vi não era uma imagem lá das melhores, mudei muito depois de tudo que aconteceu, relaxei um pouco.
A coisa mais difícil era abrir a porta, sair pra trabalhar, enfim, em outras palavras, viver ficou mais complicado, olhei de novo para o céu, suspirei e dei o primeiro passo em direção ao carro, liguei, saí da garagem e fui ao trabalho.
Foi um dia estressante, todos olhavam e percebiam que eu não sorria como antes, não conversava como antes, não era mais o mesmo, o pior é que eu sabia, nas reuniões, não atuava com o mesmo empenho, a mesma dedicação, minha criatividade não era a mesma, para trabalhar com publicidade ela era essencial.
Chegada a hora do almoço, comer sozinho, terrível, afinal depois de tanto tempo tive que me readaptar, sempre ficava com o olhar perdido, olhando o horizonte, conseguia sentir minha respiração, em cada mastigar, pensava em tudo que aconteceu, quais foram os erros, acertos, deslizes, tudo.
Não entendia muito as coisas, o motivo de tudo, mais um almoço sozinho chegara ao fim, o pessoal do restaurante já habituado comigo, sentiam que eu não estava mais do mesmo jeito, até o apetite havia mudado. Voltei para a agência, tinha reunião com os clientes, mostrava  ideias, os conceitos, as estratégias, planos de ação e em quais mercados iríamos atuar, tudo conforme as regras do jogo, mas quando acabou a reunião, tudo voltava a ser como antes...
Chegava a hora de voltar pra casa, meus pensamentos só me remetiam a lembranças do passado, entrei no carro e dirigi, não pensei em qual caminho seguir, apenas fui, meus pensamentos estavam distantes, novamente perdidos. Mesmo assim seguia o caminho, parei o carro no farol vermelho, tudo estava vermelho, como se tivesse algo dizendo PARE, pare de pensar assim, agir assim, sei lá, não tenho muitas palavras para explicar, mas parei.
Foi nesse instante que me deparei com o local onde estava, o local que a encontrei pela primeira vez, todas as lembranças voltaram como se fossem meu presente, meu agora, olhei tudo e nada mudou, a beleza da rua, das lojas e da floricultura que tanto gostava de ir, o ambiente das flores me trazia paz. Decidi então estacionar o carro e ir à floricultura, foi fácil encontrar uma vaga, fato raro.
Entrei na floricultura, o perfume no ar, o frescor, tudo sempre agradável, fui caminhando entre as flores até o momento que me deparei com as rosas, sempre as rosas, me lembrei da mulher que eu tanto amei e que por certos instantes quando juntos, esquecia de dar a atenção que ela tanto merecia, as lágrimas voltaram a minha face, chorei muito, ela havia partido, deixando apenas um bilhete com os seguintes dizeres:
 “Gostaria que você desse a mim a mesma atenção que você dá ao seu trabalho, sempre te amarei, mas queria o homem que me apaixonei de volta.”
Aquelas poucas palavras nunca saíram da minha mente, ela só queria meu amor, e eu só pensava em trabalhar pra dar a ela todo conforto que um homem pode proporcionar a uma mulher, mas me esqueci do mais importante, o essencial em qualquer relação, o AMOR, ela não pedia nada além disso, apenas e unicamente meu amor.
Aquelas lindas e maravilhosas rosas me lembraram de tudo isso, decidi comprar e comecei a  procurar aquela que seria a mais linda. Foi aí que escutei a tilintar dos sinos que soavam quando alguém entrava na floricultura, para minha surpresa, era ela, fiquei sem reação, estava entre as rosas, mas a mais linda  de todas acabara de entrar, continuava tão bela e exuberante quanto antes, já se passaram cinco anos, ela estava radiante, deslumbrante, seu esplendor era fascinante.
Passei as mãos em meu rosto, como se fosse pra confirmar aquilo que meus olhos estavam vendo, e a imagem não mudou, era ela. Eu olhei, um único olhar, marejado entre as lágrimas que de saudade imensa começavam a surgir, mas estava paralisado, petrificado, ela fez o mesmo, olhou pra mim, um único olhar, doce, suave, brilhante como só ela tinha.
Queria dizer tantas coisas, pedir perdão, mas estava paralisado, venho até mim, ficou parada em minha frente, a única coisa que consegui fazer naquele momento foi pegar uma rosa e oferecer a ela, mas ela recusou.
Olhou fixamente em meus olhos, como quem vê as profundezas da alma de uma pessoa e num ato inesperado me beijou tão fortemente, me abraçou, uma sensação louca tomou conta dela, nunca havia feito isso nos nossos quinze anos de relação, me beijava, beijava, me abraçava, aquilo me pacificou tanto, me libertou de uma prisão sem grades, de forma conjunta falávamos sem parar, como se um quisesse se desculpar mais que o outro...
Apenas sei dizer que no findar daquele dia, que começou como um dia qualquer, passou a ser um dia especial e inesquecível em nossas vidas, nos reconciliamos e uma nova história começaria, minhas atitudes foram outras, não a deixaria partir novamente.
Desde então uma nova luz voltou a minha vida, uma nova e meteórica luz, todas as coisas voltaram a ser mais prazerosas, alegres, Billy e Meg voltaram a abanar seus rabos como antes e voltaram a bagunçar a cama de novo, pra minha “enorme” felicidade em ter que arrumar a cama três vezes pela manhã, mas agora essa bagunça não importava mais, tudo estava completo.
As flores passaram a ter uma importância em nossa vida, tornara ela mais leve, mais bela, mais sublime, dentre todas, as rosas passaram ao primeiro lugar no pódio de nosso amor, chegava em casa sempre com uma a oferta-la, e ela sempre e igualmente fingia recusar e me beijava tão apertado e amorosamente, que todo dia eu saía de casa sempre pensando na volta.
Um olhar, um beijo entre as rosas, um dia inesquecível...
Adormecer e despertar com uma rosa, ela não era só uma flor, mas com certeza o meu jardim completo e eu aprendi a cuidar desse jardim dia-a-dia.
Eu percebi que essa rosa era especial, pois não havia espinho nenhum, com o passar dos anos, comprei uma casa no campo e fiz questão de fazer um roseiral só pra ela e ela continuou sendo até o fim de meus dias a rosa mais bela de todas.




sábado, 29 de junho de 2013

VALORES HUMANOS

Vivemos num período conturbado no que se refere a valores, mas o que são e quais são esses valores?
Aqui me refiro a integridade, ética, moral, verdade e honestidade, estou ciente que cada valor mencionado, por si só, já se torna merecedor de um texto, mas não é esse o objetivo.
Hoje, neste momento contemporâneo, tais valores parecem que foram deixados de lado, em todos os setores de nossa vida, profissional e emocional.
As corporações querem pessoas que sejam vendáveis, ou seja, infiéis a valores que tragam dignidade no relacionamento humano, esquecem desse fator- HUMANO - , desejam pessoas, profissionais que se permitam mudar ou moldar valores, atitudes, simplesmente em nome da empresa.
Pergunto: Quais são os valores dessas pessoas, desses profissionais? Pode-se confiar plenamente neles?
Quanto as emoções, o que dizer?
Hoje tudo parece tão banal, fútil, os relacionamentos não duram muito, existe o receio de ser chato ou massante, medo do duradouro, do comprometimento - já tratado neste blog. - COMPROMETIMENTO
As pessoas são volúveis, a fidelidade e o amor a outra pessoa numa relação não existe, a entrega não é integral, existe o medo do "piegas". Mas estamos falando da essência de todos os valores, o AMOR.
A importância que todos dão atenção é a embalagem, só a embalagem, o homem deve ser magro, rosto limpo, um traje de grife, daí ele tem valor e não mencionei a conta bancária!
A mulher também tem que ser magra, bonita, cabelo liso, corpo escultural.
Pergunto: E o conteúdo, os valores internos não contam?
No mundo contemporâneo, onde a imagem que conta, onde todos são concorrentes, competitivos e querem sempre tirar uma certa vantagem em tudo, o conteúdo, os valores não contam.
Estamos num momento onde o materialismo e o exterior que tem mais valor, o que se veste, o carro, o calçado, salário que são mais valorizados pela sociedade.
Será que Einstein seria contratado no mundo de hoje?
Confúcio seria conselheiro de um imperador?
Aleijadinho teria suas esculturas em alguma galeria "chique" ? Leonardo da Vinci? Mozart seria levado a sério?
De forma alguma podemos criticar o conteúdo e os valores desses mestres, mas eles teriam chances de mostrar o seu potencial num mundo que valoriza só a imagem?
Quais são os valores que devem de fato terem VALOR?
Somos humanos e aquilo que está em nossa essência, que conta, é lá que está a nossa verdade, A VERDADE.
Da VERDADE surge a HONESTIDADE, da honestidade surge a DIGNIDADE, da dignidade a FIDELIDADE, da fidelidade a ÉTICA, da ética a MORAL.
Quem é moral, ético, digno, honesto, verdadeiro, naturalmente é ÍNTEGRO.
Essa integridade nos dará a certeza de algo maior e próprio.
Nada do que foi escrito aqui seria válido se não existisse o principal ingrediente que move o ser humano, esse é o desejo desse mero escritor, tocar a essência de cada leitor.
O AMOR É A RESPOSTA DE TUDO. A ESSÊNCIA.

domingo, 28 de abril de 2013

O Último Abraço. ( Leia escutando a canção.)

Meus olhos estavam fechados, foi nesse momento que consegui enxergar da forma mais plena.
Aquela necessidade estranha que existia dentro de mim cada vez mais era esclarecida, passou naturalmente a ser compreendida.
Não conseguia me mexer, meu estado físico não era dos melhores, estava fraco e essa fraqueza era transferida para o emocional também.
Naquele instante o que eu queria parecia impossível e eu já estava conformado, minhas forças estavam cessando e mesmo assim só de lembrar de meus sonhos, meus desejos, as lágrimas pareciam verter não só de meus olhos, mas de minh'alma.
Sim, minh'alma chorava, lamuriava por algo superior.
Quando se deseja algo, como eu desejava nada mais importava, nada mais tinha valor.
Meus desejos mais íntimos, meus sonhos mais secretos, minha luz e energias tão essenciais, não estavam mais em mim.
Tudo que mais esperava, não podia sequer fazer algo a respeito.
Minhas condições, já sabia, não me permitiam mais nada, cada vez mais minha chama interna diminuía e dava por certo que esse meu sonho, ficaria sempre sendo apenas um sonho.
Novamente brotavam de meus olhos fechados, lágrimas que escorriam em minha face dando sinais de uma perda maior, aquela que diz não ter mais nada a ser feito.
Procurava varias vezes algum estimulo maior para manter-me esperançoso, mas nada adiantava, pois sempre ficava preso a esse desejo mais íntimo.
O tempo passava rapidamente e meu coração surpreendentemente pulsava num ritmo cada vez mais lento.
Conseguia perceber que meu último suspirar estava se aproximando, o último sopro de esperança já não existia.
As lágrimas secaram, não chorava mais, estava conformado e só esperava a última batida dentro de meu peito.
Nunca fui religioso até então, apenas aceitava o fim de forma cética e nada mais.
Num certo momento, quando nada mais restava, tive uma leve sensação de alguém tocar minha mão, uma pressão em meu peito surgiu, meu coração bateu mais forte e com essa força abri meus olhos.
Não pude conter a alegria que tomou conta de minh'alma, a luz era tamanha intensa, pois o milagre, o único que esperava, aconteceu!
Ela, o  ANJO  em forma de MULHER, a mulher que eu mais amei em toda minha vida, aquele anjo deixado por mim, pois ela não merecia sofrer com minha situação terminal, surgiu diante de meus olhos.
Ela me abraçou tão forte, uma força insuperável, pois era o abraço do AMOR VERDADEIRO, o mais puro que alguém poderia sentir.
Usei minhas últimas forças para abraçá-la e balbuciei ao pé de seu ouvido: " que Ela sempre foi e será o AMOR  da minha vida, por toda minha vida", foram minhas últimas palavras.
Meus braços caíram de encontro ao leito, mas ainda consegui sorrir e escutar as palavras mais lindas de toda minha vida:
- EU TE AMO E SEMPRE O AMAREI!
Meus olhos fecharam pela última vez, foi meu último suspirar, meu último momento de AMOR,  de minha face caía a última lágrima, como se estivesse dentro daquela lágrima a essência do AMOR DE TODA UMA VIDA, do verdadeiro e único AMOR, sentido naquele ÚLTIMO ABRAÇO...


sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

CABE A VOCÊ. SÓ VOCÊ.

Os pensamentos surgem em um turbilhão de emoções, o motivo destas aparições não sei.
Mas a essência deles sim, esperança, fé, felicidade, paz e amor, agora me perguntam o motivo disso tudo e qual sua serventia?
A esperança serve para criar expectativas, anseios, sonhos, desejos. Será isso então importante?
Não podemos nos esquecer das frustrações que essa mesma esperança nos causa, a dor, as lágrimas, tais sentimentos, sensações quando essa esperança fica só nela mesma.
Porem devemos estar cientes que quando essa esperança age como uma ferramenta motivacional, torna-se em si mesma muito importante.
Agora quem decide, como decidir?
Cabe a você, só você.
A fé serve para fortalecer a nossa alma e buscar uma força que as vezes nós mesmos julgamos não existir. Acreditar em algo ou alguém que muitas vezes não sabemos quem ou o quê e porquê.
Neste instante pensamos na fé, vou acreditar? Usar minha força extra a toa? Afinal não tem mais solução o meu problema, eu não tenho mais solução, jeito...
Eu sou um zero mesmo...
É mesmo?
Essa força extra existe dentro de cada um, ela é útil sim, importante também.
Quem deve escolher como usá-la não sou eu.
Cabe a você. Só você.
Muitas observações e análises nós vemos a respeito da felicidade, de quanto devemos cultivar ela dentro de nós e quando possível externar também, mas qual a função da felicidade, parecer um bobo perante os outros, chamar a atenção, ser um ponto de observação?
Depende.
Tudo depende de como essa felicidade é usada e onde, agora pois, não devemos nos esquecer que ela é uma ferramenta que nos ajuda no convívio social e em nossa própria saúde, a ciência comprova isso.
A felicidade nos motiva por alguns instantes, pode ser até um estado de espírito, por que não?
Se queremos de fato essa condição benéfica de convívio social e saúde, dependerá apenas de nossas atitudes.
Quem deve mudar as atitudes?
Cabe a você. Só você.
O mundo inteiro pede paz, ora pra quê? Esse pedido é uma constante pois as organizações sociais, políticas falam em paz, as pessoas precisam de paz, as nações precisam de paz, será mesmo?
Sabemos que quando estamos em paz, nossa mente trabalha melhor, nós somos mais "humanos", mais caridosos e admirados, conseguimos nos desenvolver e relacionarmos com maior facilidade.
Por outro lado nós também sabemos que muitas outras organizações preferem a guerra , ou seja, tem aversão a paz, afinal as guerras trouxeram várias inovações tecnológicas, que se causaram mortes e infelizmente milhares, também salvaram vidas.
Pergunta:
Essas mortes, essas guerras eram necessárias? Essas revoluções, essas revoltas que ocorrem dentro de nós, são de fato necessárias? Nossas guerras internas também nos matam!
Quem deve escolher o caminho a ser percorrido, seguido, não sou eu, quem decide?
Cabe a você. Só você.
Os caminhos, as escolhas, os pensamentos que surgem são inúmeros. Os turbilhões de nossa existência são infinitos.
Nós pensamos, refletimos, conjecturamos, para saber qual deve ser nossa escolha e isso leva um tempo enorme. Esse tempo enorme se baseia em receios, medos, mágoas, dores, angústias, todas essas sensações por um único motivo: a falta do amor, de amar e do amar-se.
Quando há amor, as escolhas são mais fáceis.
Então se me permite, essa escolha cabe somente a você, só você.
Mas saiba que eu, especificamente eu, te amo.Só você.
Essa foi minha escolha, coube a mim, só a mim.
Quanto a sua decisão, não posso responder.
Cabe a você.Só você.
Pois tenho certeza que você é: