sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

CABE A VOCÊ. SÓ VOCÊ.

Os pensamentos surgem em um turbilhão de emoções, o motivo destas aparições não sei.
Mas a essência deles sim, esperança, fé, felicidade, paz e amor, agora me perguntam o motivo disso tudo e qual sua serventia?
A esperança serve para criar expectativas, anseios, sonhos, desejos. Será isso então importante?
Não podemos nos esquecer das frustrações que essa mesma esperança nos causa, a dor, as lágrimas, tais sentimentos, sensações quando essa esperança fica só nela mesma.
Porem devemos estar cientes que quando essa esperança age como uma ferramenta motivacional, torna-se em si mesma muito importante.
Agora quem decide, como decidir?
Cabe a você, só você.
A fé serve para fortalecer a nossa alma e buscar uma força que as vezes nós mesmos julgamos não existir. Acreditar em algo ou alguém que muitas vezes não sabemos quem ou o quê e porquê.
Neste instante pensamos na fé, vou acreditar? Usar minha força extra a toa? Afinal não tem mais solução o meu problema, eu não tenho mais solução, jeito...
Eu sou um zero mesmo...
É mesmo?
Essa força extra existe dentro de cada um, ela é útil sim, importante também.
Quem deve escolher como usá-la não sou eu.
Cabe a você. Só você.
Muitas observações e análises nós vemos a respeito da felicidade, de quanto devemos cultivar ela dentro de nós e quando possível externar também, mas qual a função da felicidade, parecer um bobo perante os outros, chamar a atenção, ser um ponto de observação?
Depende.
Tudo depende de como essa felicidade é usada e onde, agora pois, não devemos nos esquecer que ela é uma ferramenta que nos ajuda no convívio social e em nossa própria saúde, a ciência comprova isso.
A felicidade nos motiva por alguns instantes, pode ser até um estado de espírito, por que não?
Se queremos de fato essa condição benéfica de convívio social e saúde, dependerá apenas de nossas atitudes.
Quem deve mudar as atitudes?
Cabe a você. Só você.
O mundo inteiro pede paz, ora pra quê? Esse pedido é uma constante pois as organizações sociais, políticas falam em paz, as pessoas precisam de paz, as nações precisam de paz, será mesmo?
Sabemos que quando estamos em paz, nossa mente trabalha melhor, nós somos mais "humanos", mais caridosos e admirados, conseguimos nos desenvolver e relacionarmos com maior facilidade.
Por outro lado nós também sabemos que muitas outras organizações preferem a guerra , ou seja, tem aversão a paz, afinal as guerras trouxeram várias inovações tecnológicas, que se causaram mortes e infelizmente milhares, também salvaram vidas.
Pergunta:
Essas mortes, essas guerras eram necessárias? Essas revoluções, essas revoltas que ocorrem dentro de nós, são de fato necessárias? Nossas guerras internas também nos matam!
Quem deve escolher o caminho a ser percorrido, seguido, não sou eu, quem decide?
Cabe a você. Só você.
Os caminhos, as escolhas, os pensamentos que surgem são inúmeros. Os turbilhões de nossa existência são infinitos.
Nós pensamos, refletimos, conjecturamos, para saber qual deve ser nossa escolha e isso leva um tempo enorme. Esse tempo enorme se baseia em receios, medos, mágoas, dores, angústias, todas essas sensações por um único motivo: a falta do amor, de amar e do amar-se.
Quando há amor, as escolhas são mais fáceis.
Então se me permite, essa escolha cabe somente a você, só você.
Mas saiba que eu, especificamente eu, te amo.Só você.
Essa foi minha escolha, coube a mim, só a mim.
Quanto a sua decisão, não posso responder.
Cabe a você.Só você.
Pois tenho certeza que você é: