domingo, 28 de abril de 2013

O Último Abraço. ( Leia escutando a canção.)

Meus olhos estavam fechados, foi nesse momento que consegui enxergar da forma mais plena.
Aquela necessidade estranha que existia dentro de mim cada vez mais era esclarecida, passou naturalmente a ser compreendida.
Não conseguia me mexer, meu estado físico não era dos melhores, estava fraco e essa fraqueza era transferida para o emocional também.
Naquele instante o que eu queria parecia impossível e eu já estava conformado, minhas forças estavam cessando e mesmo assim só de lembrar de meus sonhos, meus desejos, as lágrimas pareciam verter não só de meus olhos, mas de minh'alma.
Sim, minh'alma chorava, lamuriava por algo superior.
Quando se deseja algo, como eu desejava nada mais importava, nada mais tinha valor.
Meus desejos mais íntimos, meus sonhos mais secretos, minha luz e energias tão essenciais, não estavam mais em mim.
Tudo que mais esperava, não podia sequer fazer algo a respeito.
Minhas condições, já sabia, não me permitiam mais nada, cada vez mais minha chama interna diminuía e dava por certo que esse meu sonho, ficaria sempre sendo apenas um sonho.
Novamente brotavam de meus olhos fechados, lágrimas que escorriam em minha face dando sinais de uma perda maior, aquela que diz não ter mais nada a ser feito.
Procurava varias vezes algum estimulo maior para manter-me esperançoso, mas nada adiantava, pois sempre ficava preso a esse desejo mais íntimo.
O tempo passava rapidamente e meu coração surpreendentemente pulsava num ritmo cada vez mais lento.
Conseguia perceber que meu último suspirar estava se aproximando, o último sopro de esperança já não existia.
As lágrimas secaram, não chorava mais, estava conformado e só esperava a última batida dentro de meu peito.
Nunca fui religioso até então, apenas aceitava o fim de forma cética e nada mais.
Num certo momento, quando nada mais restava, tive uma leve sensação de alguém tocar minha mão, uma pressão em meu peito surgiu, meu coração bateu mais forte e com essa força abri meus olhos.
Não pude conter a alegria que tomou conta de minh'alma, a luz era tamanha intensa, pois o milagre, o único que esperava, aconteceu!
Ela, o  ANJO  em forma de MULHER, a mulher que eu mais amei em toda minha vida, aquele anjo deixado por mim, pois ela não merecia sofrer com minha situação terminal, surgiu diante de meus olhos.
Ela me abraçou tão forte, uma força insuperável, pois era o abraço do AMOR VERDADEIRO, o mais puro que alguém poderia sentir.
Usei minhas últimas forças para abraçá-la e balbuciei ao pé de seu ouvido: " que Ela sempre foi e será o AMOR  da minha vida, por toda minha vida", foram minhas últimas palavras.
Meus braços caíram de encontro ao leito, mas ainda consegui sorrir e escutar as palavras mais lindas de toda minha vida:
- EU TE AMO E SEMPRE O AMAREI!
Meus olhos fecharam pela última vez, foi meu último suspirar, meu último momento de AMOR,  de minha face caía a última lágrima, como se estivesse dentro daquela lágrima a essência do AMOR DE TODA UMA VIDA, do verdadeiro e único AMOR, sentido naquele ÚLTIMO ABRAÇO...